17.4.14

Imagem: Alex Wolbert./Montagem: Tafulhar

Alex Wölbert*


            Embora tenham vivido em épocas distintas, Célia e Mário tinham mais que um “Rosa” como coincidência em suas vidas. Possuíam o dom de educar além de uma Santa aparecer na vida de ambos...


            Há mais ou menos 340 anos antes de ser declarada santa pelo Papa Urbano VIII, Isabel Aragão desfrutava da coroa de Portugal como rainha consorte do rei D. Dinis. Era muito popular e, ainda viva, era tida como santa para muitos. O povo a chamava de Rainha da Paz, pois conseguiu esfriar os ânimos de uma iminente guerra entre pai e filho. Dom Dinis tinha um filho bastardo chamado Afonso Sanches, seu filho e herdeiro. D. Afonso, sentindo-se ameaçado, declara abertamente a intenção de uma batalha contra seu próprio pai. Nesse momento, a rainha Isabel intercede e apazigua a situação, impedindo o confronto conhecido como "Batalha de Alvalade".

            Era inegável o carisma de Isabel. Mas para ser santa, tem que fazer milagre. Segundo a lenda, ele veio em forma de rosas.

            O rei D. Dinis já teria sido informado sobre as ações de caridade de D. Isabel e quanto isso doía no seu bolso real. A rainha não poupava quando o assunto era ajudar aos pobres. Era costume a rainha distribuir esmolas e pães aos necessitados. Durante um desses dias, o rei resolveu interpelá-la, perguntando o que levava no colo. “São rosas, meu senhor!”. Desconfiado o rei acusou-a de estar mentindo, pois era impossível ter rosas em pleno inverno de janeiro. A rainha mostrou aos olhos espantados de todos as belas rosas que levava no colo.


Acervo UH/Folhapress. A tragédia do Gran Circo Norte-Americano, em 1961, causou mais de 500 mortes e foi o incêndio mais mortal na história do país.


            Célia Pereira da Rosa nunca foi declarada santa pela igreja católica. Mas, desde jovem, se preocupou com o próximo, principalmente com os mais pobres. Atuou intensamente no socorro das vítimas do Gran Circus Norte-Americano, em 17 de dezembro de 1961 e, um ano depois, liderou o segundo distrito em uma ação de auxilio aos desabrigados das enchentes que assolaram o município de São Gonçalo. Entretanto, foi na educação que a professora Célia Rosa ganhou o respeito de toda comunidade.

            Célia nasceu em 3 de fevereiro de 1915, em Santa Isabel, 2º distrito de São Gonçalo. Era filha do Capitão da Guarda Nacional, Raphael Rosa, também dono da fazenda de cordeiros ou Santa Isabel. O nome da santa foi dado por Dona Isabel Alves Sodré, esposa de José Mariano, quando, no final do século XIX, o casal dono da terra cedeu uma área para construção da Estação de Ipiíba, parte da saudosa Estrada de Ferro Maricá. Muito devota de Santa Isabel, Dona Isabel pediu que fosse dado o nome da santa à estação. Depois, apareceu a empresa de ônibus Santa Isabel, a padaria Santa Isabel, armazém Santa Isabel e até a estrada de rodagem Santa Isabel.

            A localidade é sede do segundo distrito de São Gonçalo, cujo nome oficial é Ipiíba. Já foi chamada de Freguesia de Cordeiros, Vila José Mariano e Vale do Ipiíba. Nos séculos XVIII e XIX, foi um grande centro comercial e produtor agrícola. De lá, saía grande parte das laranjas para exportação. Também foi chamada "terra da laranja".

            Na terra da laranja, Célia começou a sua jornada de ensinar. Fez seu curso primário na Escola Estadual Santa Isabel, com a professora Bolívia Gaetho, e lá começou a lecionar como professora substituta. Célia não parou mais. Alfabetizou os funcionários que trabalhavam na fazenda do pai, que não sabiam ler nem escrever. Vendo a vocação da filha, o pai cedeu um terreno e a presenteou com a tão sonhada escola.

            O Ginásio Comercial Santa Isabel foi a primeira escola a ter curso ginasial na localidade. Começou pequena, onde atendia às crianças da comunidade. Conforme Santa Isabel crescia, a escola se desenvolvia também.

            Não só a escola, mas a Igreja Nossa Senhora da Conceição e Santa Isabel passou a ser pequena para tamanha quantidade de fiéis. Em 1960, foi preciso restaurá-la, sobre a responsabilidade do Padre Theodoro Peters. Essa restauração incluía a substituição da imagem da Santa Isabel do altar por uma maior.


Professora Célia Rosa (foto) abraçada com outro professor. Formatura década de 70. Local: Ginásio Comercial Santa Isabel. Acervo Pessoal.

            Por ser uma católica atuante na igreja, o então padre Theodoro presenteia Célia Rosa com a antiga imagem de Santa Isabel. Célia toma pra si a responsabilidade de zelar pela imagem da santa. Colocou-a destacada no seu colégio, de forma que todos os alunos e professores pudessem admirá-la.

            Todos que passeavam pelo pátio da escola admiravam a imagem de Santa Isabel. Mas nenhum olhar era como o olhar do menino Mário Rosa.

            Embora tenha rosa no nome, Mário não tinha nenhum grau de parentesco. Mas assim como Célia, o menino possuía o dom de lecionar. Conforme o menino crescia e se qualificava, esse dom aflorava cada vez mais, sem apagar as lembranças dos recreios no colégio ginasial, sempre vigiado e amparado por Santa Isabel.

            Mário Rosa nasceu em Santa Isabel e foi um dos primeiros alunos do Ginásio Comercial Santa Isabel. Dando continuidade à sua formação técnica, estudou química no Colégio Plínio Leite, em Niterói, e concluiu o ensino superior na Faculdade de Formação de Professores da UERJ, em São Gonçalo.

            Mário não era mais um menino quando Célia faleceu, em 7 de dezembro de 1991. Já era um professor formado e era contratado pela rede municipal de São Gonçalo. Mas sem esquecer suas origens e lembranças, aceitou o convite de lecionar no colégio que abriu seu caminho como professor. E lá, teve a oportunidade de rever a imagem de Santa Isabel, que esteve ao seu lado durante os recreios no pátio da escola.

            Antes de falecer, Célia Rosa expressou seu desejo de doar o colégio ao município para atender às crianças mais carentes. Assim foi feito. Professor Mário Rosa ganhou o maior de seus presentes, quando no ano de 2002, pelo então secretário de educação do município, o professor Hélter Barcellos, o colégio passou a funcionar pela rede municipal de ensino com o professor Mário como diretor geral. Foi o próprio Mário que sugeriu o nome: Colégio Municipal Célia Pereira da Rosa, em homenagem a tudo o que ela fez pela educação de Santa Isabel.


            Segundo Helter Barcellos, o Colégio fundado por Célia Rosa era propriedade da Campanha Nacional de Escolas da Comunidade. Foi adquirido pela Prefeitura de São Gonçalo na gestão do prefeito Henry Charles, reformado totalmente e integrado à rede municipal.

            Há 12 anos, Mário cumpre seu papel de educador como diretor da escola. Ele também é tutor da imagem centenária de Santa Isabel, que pertenceu à antiga capela da região. Um patrimônio importantíssimo que mantém viva a história do bairro.

            Rosas são sinônimos de amor e acompanham Santa Isabel antes mesmo de virar santa no século XIII, quando apareceram em forma de milagre salvando-a do rei D. Dinis de Portugal. E aqui, na cidade de São Gonçalo, os dois “rosas”, Célia e Mário, provam que essa relação de amor entre rosas e a santa continua viva.





Referências:
IGREJA NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÂO E SANTA ISABELhttp://www.oocities.org/eac_pachecos/santaisabel.htm
MATA E SILVA, Salvador e MOLINA, São Gonçalo no século XIX (1999)
MATA E SILVA, Salvador e MOLINA, Eles Nasceram em São Gonçalo (1995)



      Sobre o Autor:

Alex Wölbert Alex Wölbert é colaborador do Blog Tafulhar. Considerado um dos maiores cronistas do Leste Fluminense, sobretudo, acerca da cidade de São Gonçalo-RJ. Faz parte do Projeto Recicla Leitores. Facebook: Alex Wölbert


{ 2 comentários... read them below or Comment }

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Tive o prazer de conhecer tia Célia,sendo diretora do COLEGIO CENECISTA SANTA IZABEL e Mario como meu professor e o padre Theodoro q fez minha primeira comunhão.

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito importante, pois estimula novas postagens

Sugestões

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Copyleft

Copyleft
O conteúdo do blog Tafulhar é “Copyleft”, podendo ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor e, se for o caso, à fonte primária da informação

Translate

Localizar no Tafulhar

Recomende em

Seguidores

Google+ Followers

Receba notícias por e-mail

Postagens Populares

Arquivo do blog

Tecnologia do Blogger.

addthis

- Copyright © Tafulhar -Tafulhar -