9.4.12

Pato - Coelho - Ilusão


Wilson Santos de Vasconcelos*

            Exige-se a cada dia que os institutos de pesquisa produzam cada vez mais informações, como meio de controle da realidade social. Todavia, vem o questionamento sobre a confiabilidade dos dados.

            Assim, as estatísticas vêm sendo usadas como expressões da realidade, como imagens ordenadas dentro de um mundo cada dia mais fragmentado, e não são! 

            As estatísticas oficiais fazem parte de um laborioso processo de construção social da realidade. O entendimento das estatísticas como construções, guardando limitações e exercendo um poder muito específico sobre a interpretação que se tem da realidade. Porém, como “construções” da realidade, as estatísticas estão sempre sujeitas a críticas e a controvérsias. 

            A produção da estatística parte de um olhar sobre a realidade, um olhar que se vale de métodos, visa substituir a dispersão e heterogeneidade do mundo por resumos e classes de equivalência.

            Nas democracias, cada vez mais as pessoas percebem que as estatísticas intervêm nos processos de governo, moldando a maneira de “ver” as possibilidades de ação, de inovação e mesmo de visão que se tem do mundo.

            A padronização da produção de estatísticas está ligada a discussão em torno da legitimidade e credibilidade, pois a padronização pressupõe uma uniformidade na demanda, uniformidade de interesses.

            Inseridas nas redes de saber e sendo instrumentos de poder, as estatísticas públicas aparecem, a cada tempo, revestidas de novos conceitos e significações. Essas mudanças são atribuídas mais a um aperfeiçoamento técnico que representam interesses: sociais, políticos, econômicos.


            Deve ser entendida não como uma semelhança fiel à realidade, mas como uma consistência e uma robustez suficientes para suportar transportes e combinações sem sofrer danos (DESROSIERES, 1996). Supõe longas cadeias de registros, cálculos e forma ligações que, consideradas e conjunto, suscitam ou não a confiança da sociedade.

Referências:

DESROSIÉRES, A. Do singular ao geral: a informação estatística e a construção do Estado. Rio de Janeiro: IBGE, 1996.
LIMA, R. S. A. Contando crimes e criminosos em São Paulo: uma sociologia das estatísticas produzidas e utilizadas entre 1871 e 2000. Tese (Doutorado em Sociologia). Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, 2005.
SENRA, Nelson. O Saber e o poder das estatísticas: uma história das relações dos estaticistas com os estados nacionais e com as ciências. Rio de Janeiro: IBGE, Centro de Documentação e Disseminação de Informações, 2005.





Sobre o Autor:
Wilson Santos de Vasconcelos Wilson Santos de Vasconcelos é editor do Blog Tafulhar. Formado em sociologia pela UFF, mestre em Estudos Populacionais e Pesquisas Sociais pela ENCE/IBGE e Doutorando em Ciência Política pela UFF.

Leave a Reply

Seu comentário é muito importante, pois estimula novas postagens

Subscribe to Posts | Subscribe to Comments

Sugestões

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Copyleft

Copyleft
O conteúdo do blog Tafulhar é “Copyleft”, podendo ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor e, se for o caso, à fonte primária da informação

Translate

Localizar no Tafulhar

Recomende em

Seguidores

Google+ Followers

Receba notícias por e-mail

Postagens Populares

Arquivo do blog

Tecnologia do Blogger.

addthis

- Copyright © Tafulhar -Tafulhar -